BN 16 2c568e5ee1cd14299c6dbf8004b2bc6f

BN 47 5b29549262a32add57c31f5505b5bc03

 camara

 

 

TELEFONES ÚTEIS

Prefeitura 3344-1085
Semec 3344-1082
Semsau 3344-1083
Semtas 3344-1081
Colonia Pescadores 3344-1123
Emater 3344-1064
Hospital 3344-1173
Escola Inácio de Castro 3344-1120
Escola Paulo Freire 3344-1074

PUBLICAÇÃO

RAIVA

RAIVA

 

- VACINA ANTIRRÁBICA ANIMAL: SEG a SEX das 07:00 às 13:00
 
SAIBA UM POUCO MAIS SOBRE A DOENÇA:
 

A raiva é conhecida desde a antiguidade, quando a referiam como uma doença que acometia cães e homens, tornando-os "loucos". Sua primeira descrição foi por volta de 2.300 a.C. Sempre foi uma doença muito temida em virtude da transmissão, quadro clínico e evolução. Civilizações antigas acreditavam que a doença era causada por modificações sobrenaturais, pois cães e lobos ficavam como possuídos por demônios. Outros pensavam que era causada por um veneno contido na saliva dos animais. A palavra vírus é em razão da raiva, que em latim significa veneno.

A raiva é uma zoonose viral, transmitida ao homem por mamíferos, através da inoculação do vírus rábico, existente predominantemente na saliva do animal infectado, principalmente pela mordedura, como também por arranhadura e/ou lambedura. Trata-se de uma encefalite aguda, que leva as vítimas ao óbito em praticamente 100% dos casos, sendo uma das mais antigas doenças conhecidas.

No Brasil, os morcegos hematófagos, principalmente o Desmodus rotundus, constituem-se nos principais transmissores para os animais de interesse econômico, embora os cães tenham sido os principais transmissores da raiva humana até o ano de 2003. Ainda nos dias atuais, a raiva representa um sério problema de saúde pública e produz grandes prejuízos econômicos a pecuária.

            A ação mais contundente a ser realizada é a ação profilática, que são medidas para prevenir ou atenuar doenças de uma maneira geral. Neste caso são dois os tipos de imunobiológicos utilizados na profilaxia da raiva humana, a vacina e soro antirrábico. Este último deve ser utilizado apenas em determinados casos da profilaxia pós-exposição. A profilaxia da raiva humana pode ser realizada em duas circunstâncias, em esquema de pré-exposição, utilizando apenas a vacina, ou em pós-exposição, após uma gravo com mamífero, em que pode ser utilizada a vacina ou a vacina e o soro. A profilaxia nos animais é feita através de calendário de vacinação anual.
            A sua participação nesse contexto é muito importante. Vacine seus animais anualmente, procure o setor responsável pelo serviço.Comunique a existência de animais com sintomas da raiva, assim como a existência de abrigos e ataques de morcegos nos animais. Vamos manter a raiva controlada, ela é mortal.
 
 
Att,
 
 
Diogo